Saúde

Cadip faz alerta para diagnóstico precoce das hepatites virais



Cadip faz alerta para diagnóstico precoce das hepatites virais

O Cadip - Centro de Atendimento às Doenças Infectocontagiosas de Fernandópolis –realiza alerta da campanha “Julho Amarelo”, destinada ao diagnóstico e conscientização sobre as hepatites virais. O Dia Mundial de Luta contra as Hepatites é comemorado no dia 28 de julho. O diagnóstico precoce da doença, que é silenciosa, antecipa o tratamento antes do aparecimento de sintomas.
O médico infectologista do Cadip em Fernandópolis, Mauricio Favaleça, lembra que os principais vírus em circulação na região são das hepatites A, B e C. “A hepatite viral é um grave problema de saúde pública e, algumas como as hepatites B e C, cronificam e podem levar pacientes a quadro de cirrose e até óbito”, alerta o médico.
As hepatites B e C têm transmissão via sanguínea através de instrumentos, como agulhas e alicate de unha, com sangue contaminado e via sexual sem proteção. A hepatite tipo A tem transmissão por forma oral, mão ou água contaminados. As medidas de higiene, das mãos, alimentos, hábitos saudáveis previnem a contaminação.
“Algumas pessoas podem nem sentir nada, mas outras podem ter dor no corpo, diarreia, vomito, manchas de pele, alterações de articulações. Algumas terão comprometimento maior do fígado, ficarão amarela (icterícia) e algumas podem evoluir para a forma crônica e chegar a fase de cirrose sem ter sintomas”, destaca o médico.
Segundo ele, é importante que as pessoas procurem as Unidades Básicas de Saúde para realização dos testes rápidos. “Uma picada no dedo e rapidamente se tem o resultado e, no caso de diagnóstico, há tratamento. No caso da hepatite C é um tratamento simples que dura três meses e tem cura total. Na B, se consegue controlar a doença para evitar que evolua para uma descompensação do fígado”, acrescenta. O tratamento também interrompe a transmissão do vírus.
Favaleça lembra ainda que para as hepatites A e B já existem vacinas que integram o calendário do Programa Nacional de Imunização. Para a hepatite C ainda não há vacina.