Política

“Caso Pastorzão” tem inquérito aberto na Polícia



“Caso Pastorzão” tem inquérito aberto na Polícia

O delegado de Polícia Assistente da Delegacia Seccional de Polícia de Fernandópolis, Ailton Canato abriu inquérito policial para apurar o caso envolvendo o vereador Claudenilson Alves de Araújo (PSC) conhecido por Pastorzão, que teria usado carro da Câmara de Fernandópolis em viagem de cunho particular.

A decisão com base no chamado crime de ação pública incondicionada, que é quando a autoridade policial toma conhecimento de suposto crime, no caso, amplamente divulgado pela imprensa. A investigação em questão, vai averiguar  se houve o crime de peculato, por envolver agente público (vereador) que, “em razão do cargo, tem a posse de bem público, e se apropria ou desvia o bem, em benefício próprio ou de terceiros”.  

Inicialmente o inquérito tem prazo de 30 dias, mas segundo o delegado seccional Oreste Carósio Neto, que anuiu com a abertura do inquérito, o mesmo pode ser prorrogado, dependendo da agilidade das informações encaminhadas pela Câmara e oitivas das pessoas envolvidas.

Na Câmara, o caso ainda está na abertura de um procedimento administrativo de averiguação do procedimento do servidor/motorista que teria acompanhado Pastorzão na viagem à Penitenciaria em Paulo de Faria. Depois, o caso deve ir para o Conselho de Ética que é composto pelo corregedor Murilo Jacob (MDB); relator – João Pedro Siqueira (PSDB), 1º Secretário, Ailton José dos Santos (Solidariedade), 2º secretário, Daniel Arroio (PSD).