Geral

Morre Zé Bastos, ex-jogador da ABE e Fefecê



Morre Zé Bastos,  ex-jogador da ABE e Fefecê

Morreu aos 82 anos na noite desta sexta-feira, 29, no Hospital de Base em Rio Preto onde estava internado após sofrer um AVC, o professor e ex-jogador  de futebol e futsal José Pereira Bastos, o Zé Bastos, como era conhecido. Também integrou a equipe da secretaria de Esportes da Prefeitura na gestão do ex-prefeito Milton Leão, junto com os amigos Enivaldo Nogueira, o Magrão, e o professor Mará.

O corpo está sendo velado no Velório Municipal e o  sepultamento ocorrerá neste sábado, 30, às 17 horas. Nas redes sociais, o prefeito André Pessuto e amigos prestam homenagens póstumas e manifestam pesar pelo falecimento de José Pereira Bastos.

A história de José Pereira Bastos , foi contada por Gilmar Gavioli, em homenagem que prestou a ele em 2021 na edição especial “Craques do Fefecê”. Leia a história de Zé Bastos contada por Gilmar Gavioli:

José Pereira Bastos  nasceu na Vila Monteiro (hoje Alvares Florence), no dia 29 de setembro de 1942. É o único filho brasileiro do sr. Augusto, imigrante português que veio para o Brasil, sózinho em 1921, deixando sua esposa e filhos lá em Portugal, porquê queria tentar a sorte aqui em nosso Pais, como muitos fizeram, “diga-se de passagem”...

Depois de se estabelecer em Ouroeste, tomando conta das terras e propriedades da Familia Veloso, o Sr Augusto conquistou a sua independência financeira, o que possibilitou trazer toda a família para cá.

Conseguiu concretizar o seu sonho. Isso depois de 10 anos, trabalhando duro por aqui.

Seu pai queria que ele fosse estudar, mas como a sua paixão era jogar futebol, não conseguia se dedicar aos estudos. Ai foi trabalhar com o pai, na fazenda e nos finais de semana, praticava o que mais gostava que era jogar bola.

Iniciou no “CORINTHINHA”, da Capivara. Em 1956 surgiu o “Caciquinho” e ele já integrava o time, com apenas 14 anos de idade.

Dai pra frente, mesmo com pouca idade, mas um futebol de gente grande, ele passou a jogar no meio dos atletas que eram bem mais velhos.

Em 1961 surgiu a equipe da ABE (Associação Bancária de Esportes), e que em 1965 passou a ser FFC (Fernandópolis Futebol Clube).

Este nome inicial de ABE, foi em função do grande número de agências bancárias que existiam na cidade de Fernandópolis e foram eles, os bancários, que fundaram um clube de futebol para representar o município em competições estaduais.

Em 1964 o Campeonato da Quarta Divisão era disputado em duas chaves (interior e capital). Os campeões de cada chave faziam a final do campeonato.

A ABE foi campeã da chave do interior e decidiu contra o São José de São José dos Campos o título do campeonato.

Após perder por 2x1 em Fernandópolis a equipe acabou empatando por 0x0 em São José dos Campos e ficou com o vice-campeonato.

Pela conquista do Campeonato do Interior realizou um amistoso em Fernandópolis contra o São Paulo FC para a entrega das faixas. O São Paulo venceu por 4x1.

A ABE conquistou acesso a Terceira Divisão de 1965.

Em 1966 já como Fernandópolis Futebol Clube, disputou a Terceira Divisão onde ficaria até 1968.

Em 1967, se classificou para o quadrangular final da Terceira Divisão, contra União Barbarense, Volkswagen Clube de São Bernardo do Campo e São Bento de Marília, mas a equipe não conseguiu o acesso, ficando na Terceira Divisão até 1968.

 

Zé Bastos jogou nas duas equipes, e sempre foi um dos grandes destaques do time. Ao lado de grandes craques, como Torres, Jesus, o goleiro Olavo, que foi para o Palmeiras, Téia que foi para a Ferroviária e São Paulo, e Canhoto que foi para o Internacional de Porto Alegre.

No dia 20 de agosto de 1973, no Estádio Municipal “John Kenned” hoje Claudio Rodante, muitos adeptos do futebol fernandopolense puderam se orgulhar e ver de perto os grandes ídolos da década de 60; os sensacionais e incríveis dribles e gingos do saudoso Mané Garrincha, quando o Milionários Futebol Clube, se apresentou para um jogo beneficente contra a Seleção de Fernandópolis. Zé Bastos fez o unic0 gol da seleção local, que perdeu por 3 a 1.

Vieram participar daquela partida, os seguintes jogadores: Djalma Santos, Minuca, Negreiros, Lima, Oreco, Djalma Dias e Orlando, Mané Garrincha, Paulo Borges, Ademar Pantera, Luizinho, Robson e outros.

O Milionários era uma equipe que foi formada em São Paulo, era composta de grandes craques do passado e que fazia vários amistosos pelo Brasil.

Zé Bastos, quando se aposentou do futebol profissional, jogou em várias equipes do “amador” da cidade e região.

Time do Fefecê de 1966 . Zé Bastos  aparece no destaque