Geral

“Não vamos tolerar que praça vire palco de crimes”, diz promotor



“Não vamos tolerar que praça vire palco de crimes”, diz promotor

Durante três dias, o Ministério Publico participou de mutirão na Praça Joaquim Antônio Pereira voltado à prevenção do consumo e tráfico de drogas. A iniciativa, no âmbito do Plano Geral de Atuação - Projeto MP Social, foi realizado em parceria com a prefeitura de Fernandópolis que disponibilizou vários serviços à população. Sabesp e da Polícia Militar também participaram.

De acordo com os promotores locais, a ideia do evento foi trabalhar o acolhimento da população em situação de rua, mitigando a questão do consumo e tráfico de drogas na região central da cidade.

“O trabalho que a prefeitura tem feito conjuntamente com o Ministério Público é no sentido de promover orientações a pessoas em situação de rua, fornecendo alternativas, deixando claro as possibilidades para aqueles que queiram, tenham o desejo de abandonar essa situação, tenham alternativas para se realocar”, disse o promotor Marcelo Antonio Francischette da Costa, em entrevista à Rádio Difusora de FM.

“Jamais vamos tolerar que a gente tenha em nossa cidade, no centro de Fernandópolis um palco de crimes. Isso é uma mensagem que queremos deixar bem clara. Infelizmente a gente tem que tolerar alguns comportamentos, o pedido de esmola, mas para além disso não haverá tolerância. Haverá na verdade punição rigorosa. Já tem alguns inquéritos em andamento e nós vamos garantir à população que a lei será aplicada. E com as medidas de saturação de policiamento, inclusive instalação de câmeras, iremos reforçar ainda mais as ações na praça. Para aqueles que optam por continuar vivendo na rua, saibam que precisam seguir um caminho de respeito a população que passa por essa praça na sua rotina”, disse.

Ele reforçou que é importante que a população conheça os serviços que a Assistência Social fornece a essas pessoas. “Às vezes passa a impressão que não tem amparo da prefeitura e não é bem assim. Eles têm amparo. Então a população precisa conhecer para entender que, se ao invés de dar esmola não é melhor destinar o dinheiro para outro projeto desenvolvido por entidades da cidade”, enfatizou.

Outro promotor, João Santa Terra participou de uma roda de conversa com dezenas da rede pública de ensino a respeito do tema. Todos os promotores, incluindo José Rafael Guaracho Salmen Huassain, Laila Honain Pagliuso e Cleiton Luiz da Silva participaram do evento. E lembraram que o Ministério Público atende todos os dias no Fórum das 13 às 17 horas.

Durante o evento foram disponibilizados pela prefeitura testes rápidos, doação de livros; atividades recreativas e esportivas, orientação das equipes da Assistência Social, distribuição de mudas, coleta de óleo usado, Posto de Atendimento ao Trabalhador, sala do empreendedor e Sebrae.

“No primeiro semestre realizamos uma parceria muito importante com a Justiça Federal, promovendo várias ações na praça. Agora estamos trabalhando em parceria também com o Ministério Público e essa integração é de extrema importância para a população”, destacou o prefeito André Pessuto.