Observatório

“Não vou decepcionar”, diz Pessuto após reeleição



Image alt Image alt Image alt Image alt Image alt

Aos 44 anos, André Pessuto entrou para a história política de Fernandópolis como o primeiro prefeito reeleito. Antes dele, Armando Farinazzo, Ana Bim e Luiz Vilar tentaram e ficaram pelo caminho. Nesta entrevista ao CIDADÃO, Pessuto diz que o resultado prova que acertou no primeiro mandato.

“Tomamos medidas muitas vezes polêmicas no início do governo, porém, sempre analisando em colher os frutos lá na frente e isso vem acontecendo. O sentimento é de gratidão e de que estamos no caminho certo”, afirmou.

Para o segundo mandato, Pessuto fala dos novos desafios, da relação com a renovada Câmara e também da renovação da equipe de governo. “Um novo governo precisa de oxigenação”, afirma.  Já ligou para Henri Dias e Renato Colombano e todos os vereadores eleitos e propõe um governo de união. “O palanque político já foi desmontado por nós e precisa também ser desmontado por todos”, enfatiza. Leia a entrevista:

Você entra para a história como o primeiro prefeito reeleito de Fernandópolis. Qual o sentimento dessa conquista?

Sentimento de responsabilidade e gratidão. Tivemos a certeza de que realmente acertamos no primeiro mandado. Tomamos medidas muitas vezes polêmicas no início do governo, porém, sempre analisando em colher os frutos lá na frente, e isso vem acontecendo. Então, o sentimento principal é de que estamos, sim, no caminho correto.

Os dois candidatos que disputaram a eleição com você vieram a público parabeniza-lo pela vitória. Isso representa novos tempos para Fernandópolis?

Tomará que sim. Fiquei feliz com essa atitude deles, bem como também telefonei para os dois dando os parabéns pela campanha, bem como para todos os 13 vereadores eleitos. O palanque político já foi desmontado por nós e precisa também ser desmontado por todos. Precisamos nos unir para que a nossa Fernandópolis continue avançando. Venho há um bom tempo ao lado do Deputado Fausto Pinato tentando está unificação, inclusive para a eleição que passou, porém, não deu certo. Espero que possamos sim, todos juntos lutar pela nossa cidade, e essa luta envolve a classe política, população e também a Imprensa que julgo ser de extrema importância.

"A reeleição faz com que a responsabilidade, por si, só seja maior, mas estou preparado, já provei isso"

A reeleição traz embutida a aprovação do governo. Isso aumenta a responsabilidade para o segundo mandato, até para não decepcionar que apostou na continuidade?

Com certeza. Temos três avaliações que precisam ser feitas. Sou o primeiro prefeito reeleito da história de Fernandópolis, tive uma das maiores votações proporcionais ao segundo colocado de que tenho conhecimento das últimas eleições, e ao lado do Edinho Araújo de Rio Preto, fui o único prefeito reeleito de toda a região das cidades de maior porte. Então, tudo isso faz com que a responsabilidade, por si, só seja maior, mas estou preparado, já provei isso e não vou decepcionar.

O próximo mandato tem alguns desafios, como a reforma administrativa para o qual já nomeou comissão de estudo, a reforma do Plano do Diretor e a questão do Iprem. Qual é a prioridade?

Todas são importantes. No primeiro mandado enfrentamos com muita coragem a questão do IPREM. Esse assunto ainda precisa ser tratado com muita responsabilidade, bem como os demais. Os estudos estão sendo feitos e vamos seguir sempre a legalidade, marca da nossa gestão, e os dados técnicos que nos apontam os melhores caminhos para que eu possa tomar as melhores decisões.

O que espera da relação com a nova Câmara que sofreu uma grande renovação e terá oito novatos?

Já iniciei o diálogo com os vereadores. Nesta semana, liguei para todos os eleitos, na qual, senti uma boa acolhida de todos, repito de todos. Para que uma cidade prospere, o Legislativo precisa estar em sintonia com o Executivo. Agradeço a atual Câmara (2017/2020) que sempre soube entender as necessidades da nossa população, e tenho convicção que a nova Câmara também entenderá essas necessidades. Vamos continuar avançando juntos.

"Toda nova gestão precisa de oxigenação. É importante, inclusive, para se dar ritmo aos novos projetos"

Diz que time que está vencendo não se mexe, mas para o segundo mandato pretende alterar equipe de governo?

Toda nova gestão precisa de oxigenação. Para a campanha, tivemos uma nova composição política, tenho um novo vice, o amigo Artur, e essa oxigenação sempre é importante inclusive para se dar ritmo aos novos projetos. Estamos saindo de uma campanha política, e sobre esse assunto, ainda não discutimos. Vamos discutir essa questão em breve, mas por enquanto, precisamos seguir trabalhando para fechar com chave de ouro nosso primeiro mandato.

Logo após a reeleição você falou em anos difíceis pela frente. Qual a maior preocupação, além da pandemia?

A pandemia ainda é o maior desafio, pois sinceramente, não sabemos o que vai acontecer. A pandemia não acabou, como vejo algumas pessoas falando que ela parou durante a campanha. Durante a campanha, perdi amigos para essa doença, entre eles o Vidião (Dr Ovídio), tenho amigos que estão nesse momento internados na UTI. A pandemia sofreu sim uma desaceleração, mas estamos percebendo uma pequena alta nos números. Então, essa é sim a maior preocupação para 2021. Lembrando que a pandemia causa um reflexo tremendo na economia mundial, consequentemente na economia local.

Que Fernandópolis você deseja entregar para seu sucessor em 2025?

A Fernandópolis da paz, sem rachas políticos, sem pessoas olhando somente para o próprio umbigo. Uma cidade com a Educação cada vez mais forte, com novas escolas entregues e quero deixar novas unidades engatilhadas para o próximo prefeito, quero entregar uma cidade que ainda mantenha bons índices para se envelhecer, uma cidade segura, uma cidade mais verde com árvores, uma cidade com o maior número possível de pessoas empregadas, enfim, quero sair em 2025 com a sensação de dever cumprido, que fiz o meu melhor. Quero e vou sentar no banco da praça, em 2025, com a cabeça tranquila, olhando no olho de todo

"Vamos remar juntos, já mostramos que é possível nessa primeira gestão, e vamos mostrar ainda mais nessa segunda

Sua mensagem final aos fernandopolenses...

Vivemos numa cidade linda e abençoada. Ouvimos isso direto de pessoas que moram em outras cidades, porém, às vezes nós mesmos não damos valor a nossa cidade. Não existe uma administração 100% perfeita, temos falhas, como também temos muito mais acertos. Para corrigir as falhas, precisamos de sugestões, a crítica ela é saudável, desde que seja construtiva. Deixo aqui a mensagem de que, precisamos de todos, repito, todos trabalhando e remando juntos. Uma cidade sem harmonia gera incertezas e desconfianças aos investidores. Vamos remar juntos, já mostramos que é possível nessa primeira gestão, e vamos mostrar ainda mais nessa segunda. Meu muito obrigado aos que votaram em mim, e aos que não votaram, peço que confiem no meu trabalho e da nossa equipe, pois também estaremos trabalhando por vocês.