Geral

Obras de R$ 3,9 milhões estão paralisadas na região de Fernandópolis



Obras de R$ 3,9 milhões estão paralisadas na região de Fernandópolis
Obra de duplicação da vicinal Carlos Ganfolfi está parada desde novembro de 2023, mas não está na lista do Tribunal de Contas

É o que consta de levantamento realizado pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, no primeiro trimestre de 2024.No estado, incluindo os 644 municípios paulistas (exceto a Capital) o montante de obras paradas chega a R$ 31,23 bilhões em 734 obras públicas que se encontram atrasadas ou paralisadas.

Na região de Fernandópolis, o estudo do Tribunal de Contas aponta obras paradas ou atrasadas nos municípios de Mira Estrela, Indiaporã, Meridiano, Pedranópolis e  Guarani d´Oeste.

O relatório do TCESP não aponta obra paralisada em Fernandópolis, mas a cidade está com a obra de duplicação de trecho da Vicinal Carlos Gandolfi paralisada desde novembro do ano passado, aguardando a liberação de um aditivo de R$ 17 mil que está sendo analisado pelo Tribunal de Contas. O montante da obra é de cerca de  R$ 5 milhões, recursos liberados pelo governo do Estado com contrapartida da prefeitura.

Segundo a ferramenta “Painel de Obras do TCESP” entre janeiro e março deste ano, foram detectadas 262 obras, cujos contratos iniciais somam R$ 11.781.544.099,12, com problemas de cronograma e se encontram atrasadas. Em valores pagos, entre 2014 e 2024, já foram desembolsados R$ 9.440.268.103,24 com o custeio desses empreendimentos. Os dados estão disponíveis no site do Tribunal.

Na região de Fernandópolis, a obra mais cara paralisada é no município de Mira Estrela referente a investimento de melhorias na prainha orçada em R$ 1,1 milhão. Em Pedranópolis, estão atrasadas obras de creche e quadra orçadas em R$ 1 milhão. Guarani d´Oeste está com obra de R$ 990 mil de reparação de parque ecológico na lista de obras atrasadas ou paralisadas. Indiaporã a obra da creche de R$ 660 mil está na lista e em Meridiano, a reforma da praça da Matriz no valor de R$ 170 mil também aparece na lista. Os problemas estão relacionados em grande parte a problemas com empreiteiras contratadas.