Política

Prefeito diz que equipe ainda não está fechada



Prefeito diz que equipe ainda não está fechada

Na entrevista concedida à Rádio Difusora na primeira semana do segundo mandato, em meio a uma agenda lotada de compromissos, o prefeito André Pessuto (DEM) disse que, apesar da pandemia e das incertezas que marcam esse início de ano, está otimista. Afirmou que a equipe ainda não está fechada e que pode sofrer alterações.

Desde segunda-feira, 4, primeiro dia útil do seu segundo mandato, o prefeito André Pessuto vem cumprindo agenda de reuniões. “O ritmo é acelerado”, disse na entrevista à Rádio Difusora na quarta-feira, 6, pouco antes de entrar para uma reunião virtual com o governador João Dória e o secretário de Desenvolvimento Regional Marcos Vinholi.

Durante a semana, ele também se reuniu com o secretariado para definir o plano de metas fiscal e plano de trabalho e ainda se reuniu com a Associação de Amigos, discutindo projetos para a cidade. Na quinta-feira, participou em Rio Preto de reunião com o diretor do DER Everson Guilherme Grigoleto, acompanhado pelo vice-prefeito Artur Silveira, Neuclair Nascimento (assessor da deputada Analice Fernandes) e do secretário de Obras João Hashijume. Na pauta melhorias nas entradas e saída das marginais em Fernandópolis.

Logo depois da posse para o segundo mandato, o prefeito anunciou em sua página no Facebook a equipe de governo com poucas modificações. Entre as novidades, a enfermeira Verônica Martins que assume a Secretaria de Assistência Social e Cidadania; Marlon Santana, Justiça e Cidadania e Carlos Cabral na Educação. Cássio Araújo deixou a gerência na Secretaria de Comunicação e assumiu a Secretaria de Cultura e Turismo e Antonio Luis Aiélo retornou ao cargo no Recursos Humanos. Nos demais cargos, seguem os mesmos secretários.

“Ela (a equipe) ainda pode sofrer alterações. As primeiras mudanças foram no primeiro escalão, posterior a isso, vem o segundo escalão, cargos de gerente, diretor e chefe que a gente pretende começar a mexer a partir de fevereiro. Mas, no primeiro escalão ainda poderemos ter alguma alteração. Estamos em diálogo com os partidos que compõem a base aliada e governo é dinâmico e as alterações são sempre para melhor desenvolvimento do trabalho administrativo”, disse o prefeito.

DESAFIO

A nomeação de Carlos Cabral para a Secretaria da Educação era tida como certa nos meios políticos. Em entrevista ao CIDADÃO, no início de dezembro, o vice-prefeito Artur Silveira (PSDB) já dava pistas de que essa pasta ficaria com o partido. Cabral pediu afastamento de suas funções no Estado e assumiu a pasta da Educação afirmando que pesou na decisão a confiança depositada pelo prefeito André Pessuto (DEM) e o vice Artur Silveira, que é do mesmo partido, o PSDB.

Ao CIDADÃO, lembrou seu principal lema na Educação: “Cuidar dos filhos dos outros como se nossos fossem”. Diz ainda que a meta neste momento é preparar a rede municipal para enfrentar os desafios da pandemia da Covid-19, principalmente recuperar os estudantes que enfrentam defasagem após o fechamento das escolas