Geral

Prefeito diz que precisa de R$ 60 milhões para acabar com buraqueira na cidade



Prefeito diz que precisa de R$ 60 milhões  para acabar com buraqueira na cidade

A estimativa foi feita pelo prefeito André Pessuto esta semana, em meio à onda de críticas pela buraqueira e limpeza da cidade. Foi durante entrevista à Rádio Difusora FM na entrega de veículo para Corpo de Bombeiros.

Pessuto atribuiu à nova lei de compras públicas a dificuldade para compra de massa asfáltica que atrasou a operação tapa buracos. “Tivemos dificuldade para comprar a massa asfáltica, mas agora a operação está avançando”, disse.

Ele anunciou que está licitando R$ 3,5 milhões em recapeamento, mas que isso é suficiente para recapear 50 a 60 quarteirões. “Custa caro recapear. Hoje, para recapear Fernandópolis inteira a estimativa é que passe de 60 milhões de reais. É muito difícil conseguir um recurso desses junto aos governos estadual e federal. O município não tem esse dinheiro. Temos que buscar nos governos federal e estadual. Estamos trabalhando para isso”, acrescentou.

Pessuto também abordou também o problema de limpeza da cidade. Praças, áreas públicas e terrenos baldios estão tomados por mato. As reclamações vêm de todos os lados da cidade.

“No final do ano passado tivemos uma queda abrupta da arrecadação e tivemos que dar uma enxugada no quadro do pessoal das terceirizadas para fechar as contas. Prefeito tem que fechar as contas, senão tem problemas no Tribunal de Contas. Neste exato momento estamos aumentando o quadro de pessoal para limpar a cidade. Há de se ressaltar que nesta época do ano com a chuvarada o mato cresce mesmo, não só aqui, mas em todas as cidades”, disse o prefeito.

Ele também citou que a prefeitura está há quase nove meses tentando comprar equipamentos (roçadeiras) para realizar o serviço, mas encontra dificuldades por conta da nova lei de compras.

Ainda na entrevista, o prefeito adiantou que já foi assinado o aditamento no contrato da empreiteira JR de Santa Fé para retomada da obra de duplicação da vicinal Carlos Gandolfi, assim que o período chuvoso passar. A obra foi paralisada em novembro, junto com o asfaltamento da Avenida dos Ferroviários, que também aguarda finalização.