Saúde

Santa Casa realiza a terceira captação de órgãos para transplantes do ano



Santa Casa realiza a terceira captação de órgãos para transplantes do ano

A Santa Casa de Fernandópolis confirmou nesta terça-feira, 20, que realizou a terceira captação de múltiplos órgãos para transplantes neste ano. O procedimento foi realizado no último sábado, 18 e também os profissionais da OPO - Organização de Procura de Órgãos - do Hospital de Base de São José do Rio Preto.

O paciente doador, de 58 anos, teve a morte encefálica confirmada após sofrer um AVCH - Acidente Vascular Cerebral Hemorrágico. Na nota, a Santa Casa aponta que “em um gesto nobre de amor ao próximo, durante os dias tristes em que estamos vivendo, a família disse “sim” à doação de órgãos”.  

O procedimento, realizado no Centro Cirúrgico da Santa Casa Fernandópolis, durou cerca de 3h e foi coordenado pela CIHT - Comissão Intra-Hospitalar de Transplantes - do Hospital, sendo doados os rins, córneas e fígado.

Foi a terceira captação de órgãos realizada este ano no hospital. No dia 26 de abril, foram captadas as córneas, rins e o fígado de um homem de 55 anos. O processo envolveu a atuação de profissionais de diversas especialidades e de diversos setores.

No dia 2 de junho, após constatação de morte encefálica de paciente de 56 anos, a família autorizou a captação de órgãos, procedimento que durou cerca de 3h, para a retirada do coração, fígado e córneas.

De acordo Comissão Intra-Hospitalar de Transplantes da Santa Casa, muitas vezes o transplante é a única esperança ou a oportunidade de um novo recomeço para pessoas que precisam da doação. O Brasil é referência mundial na área de transplantes do mundo. Atualmente, cerca de 96% dos procedimentos de todo o País são financiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os pacientes recebem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamentos e medicamentos pós transplante, pela rede pública de saúde.

A comissão orienta as pessoas que informem seus familiares sobre desejo da doação de órgãos para que eles possam autorizar a captação. “A doação de órgãos é um ato nobre, que pode salvar vidas”, ressalta a nota.