Saúde

Secretaria de Saúde de Fernandópolis orienta sobre a importância das vacinas de Hepatite B e HPV



Secretaria de Saúde de Fernandópolis orienta sobre a importância das vacinas de Hepatite B e HPV

A Secretaria Municipal de Saúde de Fernandópolis observou uma queda na adesão das vacinas de Hepatite B e HPV na população infanto-juvenil, na faixa etária dos nove aos 19 anos. Por esse motivo, resolveu alertar e orientar os munícipes que tenham essas idades a procurarem a Unidade Básica de Saúde da qual façam parte para regularização da carteira de vacinação.

Segundo a equipe técnica do projeto “Agenda Mais Acesso, Cuidado, Informação e Respeito à Saúde das Mulheres”, a vacinação é uma das maiores conquistas da humanidade, sendo o meio mais seguro e eficaz de prevenir doenças infectocontagiosas. “É muito melhor e mais fácil prevenir uma doença do que tratá-la – e é isso que as vacinas fazem. Elas protegem o corpo humano contra os vírus e bactérias que provocam vários tipos de doenças graves, que podem afetar seriamente a saúde das pessoas levando-as, inclusive, à morte”, destacam.

A secretaria informa ainda que as vacinas e os preservativos de barreiras (masculino e feminino) são as medidas mais eficazes para prevenção contra a infecção tanto do HPV, quanto Hepatite B. O município de Fernandópolis disponibiliza as vacinas e os preservativos gratuitamente em todas as Unidades Básicas de Saúde.

HEPATITE B

A Hepatite B é causada por vírus e provoca inflamação do fígado. Ela é um dos cincos tipos de Hepatite existentes no Brasil. A doença pode se desenvolver de duas formas: aguda e crônica. A aguda é quando a infecção tem curta duração e crônica quando dura mais de seis meses. Quando Doença Crônica pode levar a câncer hepático ou cirrose hepática. A Hepatite B não tem cura. Sendo também considerada uma IST (Infecção Sexualmente Transmissível).

O vírus da hepatite B é transmitido: por via parenteral (sangue) contato direto; pelo sexo desprotegido; compartilhamento de alicates e agulhas contaminadas; tatuagem; colocação de piercing; e por via vertical, isto é, de mãe para filho.

Na maioria dos casos a Hepatite B não apresenta sintomas. Muitas vezes a doença é diagnosticada décadas após a infecção, com sinais relacionados a outras doenças do fígado (cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febres, dor abdominal, pele e olhos amarelados) que costumam manifestar-se apenas em fases mais avançadas da doença. A ausência de sintomas na fase inicial dificulta o diagnóstico precoce da infecção (doença).

O diagnóstico pode ser feito por: Teste laboratorial; coleta de sangue; teste rápido para Hepatite B (Procedimento realizado que apresenta resultado imediato). O município disponibiliza gratuitamente os TESTES RÁPIDOS em todas as unidades básicas de saúde.

HPV – PAPILOMAVÍRUS HUMANO

O HPV (Papilomavírus Humano) é um vírus que infecta pele ou mucosas (oral, genital ou anal), tanto de homens quanto de mulheres, provocando verrugas anogenitais (região genital e no ânus) e câncer, a depender do tipo de vírus. As lesões genitais podem ser de alto risco, porque são precursoras de tumores malignos, especialmente do câncer de colo de útero e do pênis, e de baixo risco (não relacionadas ao câncer). A infecção pelo HPV é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST).

 

A transmissão do HPV se dá predominantemente por via sexual, relação sexual desprotegida. O uso do preservativo é um método importante de proteção e não deve ser dispensado, pois ele reduz o risco de exposição ao vírus do HPV. 

Em mulheres, a infecção pelo HPV aumenta em grande parcela o risco de desenvolver o câncer cervical (câncer no colo do útero). Tanto as mulheres quanto os homens infectados pelo HPV, poderão apresentar as verrugas genitais, também conhecidas como condiloma acuminado. O diagnóstico pode ser feito por meio de exames clínicos e laboratoriais.