Saúde

UE alerta sobre risco de faltar seringas para possível vacina contra Covid-19



UE alerta sobre risco de faltar seringas para possível vacina contra Covid-19
Ilustrativa de seringa com vacina contra o coronavírus — Foto: Andre Melo Andrade/Estadão Conteúdo

Primeiro, foi a corrida às farmácias para comprar a suposta milagrosa, proclamada e curandeira Hidroxicloroquina. Segundo, a baratíssima e acessível Ivermectina que bastou soar na grande mídia como um medicamente de grande potencial no combate ao novo coronavírus, fez zerar os estoques de ambos medicamentos nas farmácias de todo o Brasil. O alerta agora é da EU – União Europeia – sobre a provável falta de seringas para  uma possível vacinação em massa contra Covid-19, assim, é claro, depois de descoberto o antídoto contra o vírus.

Em comunicado, a União Europeia alertou seus países-membros para o risco de falta de seringas, lenços e equipamentos de proteção necessários para uma possível vacinação em massa contra Covid-19 e fez um apelo para que cogitem aquisições conjuntas, de acordo com um documento do bloco. Ela pediu aos governos que estudem comprar juntos mais vacinas contra gripe e aumentar o número de pessoas vacinadas para diminuir o risco de um surto simultâneo da doença ao de Covid-19 no outono local.

Segundo a EU, nenhuma vacina contra Covid-19 já foi totalmente desenvolvida ou aprovada, mas países de todo o mundo estão tentando garantir suprimentos de imunização em potencial para, se e quando candidatas se mostrarem eficientes, poderem iniciar campanhas rapidamente — o que alguns esperam acontecer ainda neste ano Caso uma vacina se mostre eficiente, questões de fabricação e distribuição podem se tornar obstáculos.

"As vacinas contra Covid-19, uma vez desenvolvidas, podem vir sem seringas e outros itens", disse a Comissão Europeia, o Executivo do bloco, a especialistas de saúde de nações europeias em uma reunião na semana passada, de acordo com um sumário publicado em seu site.

"Pode haver escassez", alertou a entidade, indagando os governos a respeito de seus estoques de seringas, lenços, álcool e equipamentos de proteção individual, como máscaras.

A Comissão pediu ainda que os países-membros cogitem aquisições conjuntas, e representantes da Itália e da Holanda expressaram interesse, segundo o documento. Esquemas de aquisição conjunta são considerados úteis para obter preços melhores e evitar que governos da UE compitam entre si.

O porta-voz da Comissão não quis comentar, já que os preparativos para o possível lançamento de aquisições são confidenciais.

O Executivo da UE também disse na reunião que indagou fabricantes de vacinas a respeito da disponibilidade de doses adicionais de imunizações contra gripe, de acordo com o documento.

Governos do bloco foram convidados a comunicar seu interesse em aquisições conjuntas de vacinas contra gripe até 24 de julho. A Comissão não quis comentar o processo.