Caderno Viva

BASTIDORES



SEMPRE...

consultado pelos colegas em momento de dúvidas, o vereador Maurílio Saves foi atropelado pelos mesmos colegas em recentes decisões da Câmara Municipal:a completa absolvição daquele vereador boquirroto que chamou a prefeita Ana Bim de “jumenta”, e  o aumento de subsídios dos vereadores.

NO...

primeiro caso, Saves, corregedor do Conselho de Ética – único a votar contra  o arquivamento da representação - deixou registrado em voto separado: “Dizer que o colega agiu normalmente, é o mesmo que dizer a todos os vereadores que eles podem ofender à vontade, pois são poderosos e nada pode atingi-los”.

JÁ...

no segundo caso, que trata do aumento de vencimentos dos senhores vereadores, aprovado ano passado, Saves, ao defender a revogação através do projeto de sua autoria, e que teve parecer contrário da Comissão de Justiça e Redação, procurou sensibilizar os pares sobre o inevitável desgaste que a Câmara sofrerá, desnecessariamente, uma vez que o aumento só vigorará a partir de 2017. “Todos aqui acham que vão se reeleger?” indagou o calejado vereador.

MAURILIO...

Saves que tanto distribuiu orientação ao longo de seus mandatos, certamente não esperava tamanha resistência da maioria. Seus argumentos, lastreados em conhecimentos jurídicos e bagagem política, foram atropelados pelo exacerbado corporativismo, alimentado por boa dose de questiúnculas pessoais de alguns “colegas”.

ENTÃO...

pode-se dizer que Saves foi derrotado? No primeiro momento, sim. Valem os números, e a matemática lhe é desfavorável.No entanto,como o próprio vereador disse na sessão, “o tempo é senhor de tudo”, deve ter pensado:vivemos um momento em que se fala muito em ética, e o voto cego de hoje pode custar muito caro no futuro, pode custar uma reeleição.

A MAIORIA...

sempre discordou da tentativa de se revogar o projeto que aumentou o salário dos vereadores. A própria leitura do projeto de resolução, na Ordem do Dia, foi tímida, resumida ao caput, aos sussurros, dando a impressão de que se pretendia esconder alguma coisa. Diferentemente do projeto sobre o prazo para resposta do Executivo aos requerimentos da Câmara.

PARA...

quem acompanha a sessão pelas emissoras de rádio, a leitura tão somente da “cabeça” dos projetos, não deixa claro aos ouvintes o que se está votando na sessão, principalmente quando ninguém usa a palavra para comentar as matérias. Com dois vereadores se revezando na secretaria da mesa, a leitura precisa ser mais clara.

NUMA...

noite em que muito se falou em ética, combate à corrupção, cobranças ao poder público e alerta sobre gastos, sob pena da prefeitura falir, a palavra “aumento”, mesmo que seja para o futuro, choca com a realidade dos difíceis momentos que a economia brasileira está vivendo.

 

Alencar Cesar Scandiuzi