Caderno Viva

BASTIDORES



A PRISÃO...

do ex-prefeito Luiz Vilar de Siqueira, sexta-feira, 27, provocou as mais diferentes reações em Fernandópolis. Da população, profunda decepção; dos amigos, indisfarçável abatimento; e dos adversários políticos, a comemoração, há muito tempo aguardada.

PELA...

ordem: a população ficou sem entender o que teria acontecido com o cidadão que conquistou dois mandatos de prefeito (1993-1996) e (2009-2012), e quase chegou ao terceiro na última eleição, vencida por Ana Maria Matoso Bim, pela insignificante diferença de 802 votos.

OS AMIGOS...

cientes da esperteza de Vilar, jamais poderiam acreditar que o chefe se descuidasse tanto dos “negócios”, abrindo brecha para denúncias tão graves. Partícipes da “Confraria Vilar, o séquito ficou sem chão e sumiu dos “senadinhos” da cidade.

JÁ...

os adversários foram à desforra: substituíram o fel que regurgitaram em duas derrotas eleitorais, pela degustação de vinho importado, e com sorriso aberto exibiram os jornais que estampavam as manchetes da “Operação Vulpino”.

VILPINO...

segundo os dicionários, quer dizer “raposa”, ou peculiar a esta; que exprime astúcia e malícia; traiçoeiro, pérfido. Para um funcionário aposentando da Cesp, a Polícia Federal de Jales foi muito “feliz” ao escolher o nome da operação.

VILAR...

está sendo acusado de desviar R$ 3 milhões da Fundação, e segundo a PF o rombo pode passar de R$ 10 milhões. A encrenca e grossa: há indícios de crime de peculato, falsificação de documento, uso de documento falso e associação criminosa. Paulo Nascimento, ex-presidente da FEF, também foi preso. Ambos estão na cadeia de Jales.

DIANTE...

de fatos tão negativos para Fernandópolis, que viu morrer dois prefeitos em pleno exercício do cargo (Newton Camargo e Rui Okuma), a prisão do ex-prefeito e ex-presidente da FEF, Luiz Vilar, é um soco no estômago e nos inferioriza politicamente na região.Nesta hora, a política se apequena. A se confirmar tudo, estaremos diante do maior escândalo de todos os tempos.

ENQUANTO...

Vilar e Nascimento amargam a Páscoa mais triste de suas vidas, atrás das grades, perplexos, indagamos: como foi possível tamanha audácia? Onde estávamos, quando os cofres da FEF eram assaltados? Onde estavam os conselheiros? Onde estava a sociedade civil “organizada” que fez ouvidos moucos aos artigos do saudoso jornalista João Leone, “De quem é a FEF?”’, quando Vilar mudou os estatutos e descaracterizou a autêntica representatividade do Conselho, indicando apaniguados? Será que há resposta?

-

(Coluna postada em 02-04-15)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alencar Cesar Scandiuzi