Boa de Garfo

COMIDA DE VERDADE: menos alimentos ultraprocessados e mais alimentos naturais



COMIDA DE VERDADE: menos alimentos ultraprocessados e mais alimentos naturais
Os supermercados e quitandas de Fernandópolis já oferecem essa praticidade.

A expressão ‘comida de verdade’ nunca esteve tão em evidência quanto agora. Seja por gosto, necessidade, moda ou crise sanitária, a verdade é que mais pessoas passaram a preparar suas próprias refeições e se tornaram verdadeiros embaixadores desse, não tão novo, estilo de alimentação.
Numa era onde é possível encontrar uma imensa variedade de alimentos e refeições prontinhas para o consumo nas prateleiras do supermercado, a comida feita em casa sem conservantes e utilizando apenas ingredientes naturais acabou sendo deixada um pouco de lado. Até mesmo pela praticidade. Afinal, é muito mais simples, prático e rápido comprar uma ‘marmita fit’ congelada e só esquentar no microondas. Ela pode ser ‘fit’, mas está longe de ser saudável.
Principalmente durante a pandemia, quando as pessoas passaram mais tempo em casa e o poder de consumo foi reduzido, muita gente começou a recorrer a receitas simples e com ingredientes naturais para preparar a chamada ‘comida de verdade’. Chamada também de ‘bicho e planta’, esse estilo de alimentação, além de ser muito mais leve para o bolso, é muito mais saudável e caiu no gosto do fernandopolense, tanto que temos ótimas opções de compras em hortifruti, quitandas e lojas de alimentos naturais.
O preparo da comida de verdade é muito mais simples do que você imagina. Basta não incluir alimentos processados como enlatados, empacotados e dar preferência aos alimentos da feirinha, açougue e aqueles naturais. Para saber se aquele alimento é processado ou possui conservante ou corantes, basta olhar na embalagem seus ingredientes. Existe por exemplo, uma passata de tomate que vai apenas o tomate na sua composição, da marca Fugini, enquanto outras são adicionadas dezenas de ingredientes.
Para facilitar nossa vida já é possível encontrar em alguns supermercados e quitandas da cidade os legumes picados, saladas prontas e verduras higienizadas prontinhas para o preparo. Enfim, o trabalho mais pesado já foi feito, é só usar a criatividade e caprichar no tempero. Não tem desculpa mais!

Organizar as marmitas da semana gera uma economia e menor desperdício de alimentos

Confesso que já fui muito fã de comida congelada, aquelas lasanhas então, nem se fala. Hoje passo longe desse corredor no supermercado. Prefiro muito mais o meu tempero. Quando sei que a semana será corrida, no domingo faço as ‘misturas’ da semana, preparo minhas marmitas e congelo. Antes de ir trabalhar tiro do congelador e na hora do almoço é só esquentar. Você tem o trabalho uma vez só. 
Hoje é possível ser prático e ter uma alimentação mais saudável (digo no sentido de ser livre de industrializados) e deliciosa. Costumo dizer que a comida de verdade faz com que a gente saia da zona de conforto, e experimente novos sabores. Claro que tem receita para você! O Ratatouille (aquele mesmo do filme do ‘ratinho’ chef de cozinha) é uma clássica receita francesa provençal de legumes cozidos, que pode ser servida quente ou fria, sozinha ou como acompanhamento. 

Ratatouille de frigideira

Ratatouille  de  frigideira

Ingredientes
   1 pimentão amarelo pequeno
   1 abobrinha pequena
   1 berinjela pequena
   1 xícara (chá) de tomate-cereja
   1 cebola roxa
   1 dente de alho
   Azeite
   Salsinha e cebolinha picadas

Modo de fazer
1)  Corte todos os legumes em cubos médios. Por último, descasque e pique fino o alho e corte os tomates ao meio.
2)  Em uma frigideira adicione azeite e refogue a cebola até ficar translúcida. Junte o alho picado e mexa, sem deixar dourar. Adicione o pimentão e refogue junto.
3)  Adicione um fio de azeite e junte a abobrinha e a berinjela e refogue, mexendo sempre. Os legumes devem ficar dourados e cozidos, porém firmes, com uma textura al dente.
4) Adicione o tomate cereja e as ervas e misture, apenas para aquecer. Sirva quente.

Boa de Garfo