Direto da Redação

Gustavo Pinato será o presidente da Câmara a partir de 1º de janeiro



Não será no “par” ou “impar”, mas no consenso. O presidente da Câmara a partir de 1º de janeiro será Gustavo Pinato (DEM). O atual vice-prefeito já foi vereador no mandato entre 2013/2016 e está retornando ao Palácio 22 de Maio Prefeito Edison Rolim com todas as credenciais para ocupar o posto. João Pedro Siqueira (PSDB), que forma também na bancada do prefeito, e está indo para o segundo mandato, fica como opção para ocupar o posto no segundo biênio do mandato.

A composição da mesa da Câmara, que está sendo alinhavada nos bastidores inclui, inclusive, a participação da bancada de oposição. O cenário que está saindo das conversações indica que João Luiz Garcia Filho (PTB) deve ser o vice-presidente. A primeira secretaria ficará com o vereador Julinho Barbeiro (PP) e, a segunda, com Cidinho do Paraíso (PTB), podendo este abrir mão para Janaina Alves (PP).

Muitos vereadores, por cargos e funções que ocupam, ficam impedidos de exercerem a presidência. Neste cenário, incluem-se os vereadores do MDB, Murilo Jacob (advogado) e o vereador mais votado João Paulo Cantarella (procurador da Câmara de Ouroeste).

A eleição para a mesa diretora da Câmara que assume em 1º de janeiro, será no dia 31, logo após a sessão solene de posse dos eleitos (leia matéria na Página 3-A)

Bate pronto

CORREDOR COMERCIAL – Chegou a Câmara projeto do Executivo que altera a Lei de Zoneamento do município para ampliação de corredor comercial já existente na Avenida Amadeu Bizelli, entre as avenidas Aldo Livoratti e Querino Cesário Vieira. Não é de hoje que a Câmara tem adotado a postura para atender as demandas sobre novos corredores comerciais. Em outra época, o ex-vereador Maurilio Saves, chegou a chamar a Lei de Zoneamento de “colcha de retalhos”, tantos foram os remendos efetuados. A reforma da Lei de Zoneamento já passou da hora de ser atualizada olhando para o futuro.

 

APOSENTADORIA - Chegou esta semana ao Palácio 22 de Maio Prefeito Edison Rolim projeto de emenda à LOM – Lei Orgânica do Município – visando adequar a legislação local às novas regras previdenciárias relativas ao regime próprio de previdência social dos servidores municipais e seus dependentes, inclusive estabelecendo idades mínimas para a aposentadoria. A proposta estabelece que a idade mínima para a aposentadoria será de 62 anos de idade (mulher) e 65 anos (homem), observado o tempo de contribuição mínimo. Como se trata de emenda à Lei Orgânica, o projeto terá duas votações em plenário.

FOTO DA SEMANA

FOTO DA SEMANA

Flagrante de crime ambiental em Fernandópolis. Durante patrulhamento da Polícia Militar Ambiental, os policiais flagraram a supressão de 92 árvores nativas em meio à um plantio de cana-de-açúcar em um imóvel rural localizado no município de Fernandópolis. Na fiscalização, foi constatado que algumas árvores foram arrancadas e outras destruídas, uma vez que foram quebradas. As árvores encontravam-se em área comum, sendo das espécies Cabelo de nego (Connarus suberosus), Crista de galo (Erythrina crista-galli), Farinha Seca (Albizia niopoides), Ipê (Tabebuia) e Amendoim (Pterogyne Nitens). Diante dos fatos, foi lavrado administrativamente auto de infração ambiental acarretando uma multa simples no valor de R$ 27.6 mil ao proprietário.

Positivo

A Santa Casa de Fernandópolis divulgou essa semana o atendimento realizado por sua Ouvidoria nos meses de outubro e novembro e constatou que a maioria absoluta dos atendimentos realizados foram para elogios no atendimento do hospital. Foram 324 manifestações. Em outubro foi registrado o maior número de atendimentos, com 189 recebidos, sendo que 61% foram elogios. Já em novembro, foram 135, com 68% de manifestações positivas. Importância coletiva em prestar um serviço de qualidade e humanizado à população, destacou a nota da Santa Casa.

Negativo

Desdobramento da queimada registrada em Fernandópolis, na área do Frigorífico. Ainda nesta semana, a prefeitura atuava para apagar o fogo e já iniciou investigação para apurar a causa e os responsáveis. Cinco dias após início do incêndio, ainda havia fumaça no local e foram necessárias várias intervenções para resolver o problema. A dificuldade de acesso era o maior problema. Foram necessários 30 mil litros de água e mais a colaboração da chuva para combater as brasas no lodo do efluente (que gerava muita fumaça).

Claudemir Cabreira

Jornalista.