Caderno Viva

CIDADÃO realiza série de vídeos em homenagem ao Dia Internacional da Síndrome de Down



CIDADÃO realiza série de vídeos em homenagem ao Dia Internacional da Síndrome de Down

Em parceria com a Apae de Fernandópolis, foi lançada uma série de vídeos em homenagem ao Dia Internacional da Síndrome de Down que é celebrado hoje, 21. Os vídeos que foram postados diariamente no site e nas redes sociais do CIDADÃO, tinham como objetivo destacar a importância das diferentes áreas de atuação perante uma pessoa com a síndrome de down.

INTERVENÇÃO DA PSICOLOGIA

INTERVENÇÃO DA PSICOLOGIA

O primeiro vídeo postado na segunda-feira, 16, foi com a psicóloga Franciele Ismarci. Ela explicou como funciona o atendimento e a intervenção da psicologia com a pessoa que possui a Síndrome de Down e como trabalha com a família.

“Com a família é feito um trabalho de escuta e orientação na educação do indivíduo, já com a pessoa down, é analisado as potencialidades e individualidades. Não há uma intervenção fechada, mas pode ser criado um plano para estimular cada vez mais o indivíduo. Quanto mais cedo a estimulação, melhor é o desenvolvimento dela”, contou.

BENEFÍCIOS DA EQUOTERAPIA

BENEFÍCIOS DA EQUOTERAPIA

O segundo vídeo da semana foi com o equoterapeuta Roberto Juliano. Ele contou sobre a importância de seu trabalho, realizado na parte rural da entidade.

“Nós fazemos um trabalho de aproximação onde na primeira fase a criança conhece o ambiente e o cavalo. Na segunda fase, é a vez da montaria onde colocamos a criança em cima do cavalo com o apoio de outros profissionais. Já a terceira fase é a de separação. Quando a criança desce do cavalo, ela pode alimentá-lo, dar banho”, disse.

COMO UM BOTÃO DE ROSAS

COMO UM BOTÃO DE ROSAS

O terceiro vídeo postado nesta semana, foi com o professor de artes Djalma Dias de Barros. Ele fez uma breve comparação da criança com um botão de rosas e também com um diamante.

“Eu vejo a síndrome de down como um botão de rosas quando é pequeno e fechado, não se abre com ninguém”, e acrescentou, “é como um diamante bruto que temos que ir lapidando até ficar um diamante bonito”.

SALA DE AULA

SALA DE AULA

Na quinta-feira, o vídeo foi gravado com a professora de educação especial, Fátima Vono. Ela contou um pouco sobre como é a criança com Síndrome de Down dentro da sala de aula e como eles reagem diante dos ensinamentos.

“Existe uma dificuldade na fala que atrapalha o seu aprendizado necessitando que o professor dê mais atenção. Trabalhar em um ambiente alfabetizador chamativo ajuda a atender as necessidades da criança”, relatou. A professora ainda acrescentou, “eles são alunos que ouvem, mas aprendem mais vendo, pegando e apalpando”.

DESENVOLVENDO HABILIDADE MOTORA

DESENVOLVENDO HABILIDADE MOTORA

Na sexta-feira, foi a vez do professor de educação física André Luis Dutra. Ele contou como vê a criança com down e também dialogou sobre os vários tipos de atividades que são passadas para os alunos da Apae.

“Eu realizo trabalhos diversos com elas desde atividades folclóricas como amarelinha, pega-pega, dança da cadeira e circuitos como obstáculos, treinamento funcional e várias outras atividades. Sempre proporcionando o prazer de brincar, mas ao mesmo tempo trabalhando para que elas desenvolvam cada vez mais suas habilidades motoras bem como a socialização”, conta ele.

ATIVIDADES DO DIA A DIA

ATIVIDADES DO DIA A DIA

Para finalizar a semana da série em homenagem a Síndrome de Down, foi a vez de ouvir a terapeuta ocupacional, Meire de Fátima Franchetti. A profissional explicou como funciona as atividades de autocuidado do dia a dia com as crianças.

“Ensinamos autocuidados como higiene pessoal, colocar o vestuário. Nós treinamos os alunos para que sejam autônomos e independentes. Temos também as atividades de vida prática onde ensinamos a arrumação do próprio quarto, “pegar” um ônibus, ir ao supermercado fazer compras e, a parte de lazer é a socialização deles com o mundo exterior e até mesmo dentro da nossa instituição”.