Caderno Viva

De férias em Fernandópolis, João Paulo fala de sua carreira fora do Brasil



De férias em Fernandópolis, João Paulo fala de sua carreira fora do Brasil

De Fernandópolis para o mundo. Em 2016 centroavante fernandopolense João Paulo Sales deixou a cidade para se tornar ídolo no futebol boliviano. Hoje ele está bem mais distante, na Tailândia, mas não esquece suas origens e revela: “não há lugar no mundo melhor que Fernandópolis”. 
João Paulo é praticamente uma revelação do FFC – Fernandópolis Futebol Clube. Ele se tornou jogador profissional após um convite do então técnico da equipe Roberto Assis, o Robertão.
 “O Fefecê foi onde tudo começou. Um chamado do professor Robertão que mudou toda minha vida, pois antes eu só jogava futsal e no campo quando jogava era volante, ele me incentivou a jogar de centroavante e depois disso estou até hoje, graças a Deus e a ele”, disse o jogador. 
Após ser “descoberto” chegou a ser apontado como ídolo da torcida em 2011 quando foi o artilheiro do time no Paulista da Quarta Divisão. Seu desempenho em campo, naquele ano, rendeu um contrato com o Cruzeiro/MG. Dalí ele passou por diversos clubes até chegar Blooming da Bolívia onde mais uma vez se tornou ídolo da torcida e chegou a disputar a Copa Sul Americana com o time. 

Image alt Image alt

Se já estava longe na vizinha Bolívia, agora o craque literalmente está do outro lado do mundo. Em 2017 ele foi para o futebol tailandês, passou uma temporada no Vietnã e agora voltou para Tailândia. 
“Foi adaptação boa e rápida. Tinha mais um brasileiro no meu time que me ajudou muito, e o povo aqui na Tailândia é muito simples e acolhedor. No começo o idioma e a comida foi o mais complicado. A saudade da família desde quando comecei a jogar já ficava né, é ruim mais agente já vai se acostumando”, completou o atleta. 
Segundo ele, apesar das diferenças nos costumes o convívio lá é tranquilo. O país também é conhecido por sua gastronomia exótica, mas o atleta ainda não quis encarar essa parte. 
“O dia-a-dia é muito tranquilo, treinamos na grande maioria 1 período somente, na parte da tarde, o restante passo com minha esposa e meu filho, aproveitamos bastante os dias de folgas. Tem muita coisa diferente aqui (risos) eu nunca experimentei nada de diferente, minha esposa já experimentou escorpião (risos)”, contou. 
 

FERNANDÓPOLIS

FERNANDÓPOLIS

O atleta ainda comentou sobre sua cidade natal e o time em que iniciou a carreira profissional. Segundo ele, o que falta para o Fefecê é um projeto a longo prazo e isso demanda de pessoas e investimento. 
“Minha família e amigos são de Fernandópolis. Sempre digo que não há lugar no mundo melhor que Fernandópolis. Quando parar de jogar, seguro que vou viver em Fernandópolis. Todo ano Fefecê monta time e o desmonta. Na verdade futebol precisa de um projeto a longo prazo, não se pode fazer futebol do dia para noite. Mas é claro que para isso precisa de mais patrocinadores e pessoas que vão entra nesse projeto para valer”, concluiu.